Zine Cultural - 11 Anos

Publicidade

INDEPENDÊNCIA SHOPPING
ZINE 15 ANOS

18 Abr 2012

Ponto de Equilíbrio

Publicado em Zine Entrevista as 17h20





Marcando o fim da turnê de lançamento do terceiro álbum do Ponto de Equilíbrio, a banda se apresenta nessa quinta-feira (19), no Cultural Bar. Ao mesmo tempo que colhe os frutos do trabalho - que contou com nomes como Marcelo D2, Jorge Du Peixe e os jamaicanos The Congos e Don Carlos - o Ponto se prepara para novos e empolgantes projetos, entre eles, a gravação do primeiro DVD do grupo e uma turnê pela Europa. Confira o bate papo com o vocalista Helio Bentes. 

Vocês tinham contrato com uma grande gravadora. Por que optaram por se tornar uma banda idependente novamente?
Entrar  em uma gravadora  é muito importante para qualquer artista, mas quando se entra tem que estar preparado para o que mercado pede. As gravadores  têm moldes de trabalho que não nos adaptamos, pois não achamos  que temos que mudar nosso estilo pra vender mais, queremos passar nossa mensagem de igualdade, amor e justiça. Tem um trecho de uma de nossas músicas do CD "Dia Após Dia Lutando" que se chama ‘Música de Jah,’ que responde bem a pergunta: "Somos o que somos e sempre seremos".


Foto: divulgação

Falando nisso, como o grupo se divide para produzir os discos, divulgar o trabalho etc?
Produzimos nossos próprios discos, sempre todos juntos. Buscamos estar 100% interados nas nossas músicas para tudo sair como queremos. Os integrantes alimentam as mídias sociais, com o objetivo de passar as novidades em primeira mão para o público. Como toda banda, possuímos uma equipe de divulgação, produção, entre outros.

Liberdade em Neves from Ponto de Equilíbrio on Vimeo.

Além da música, quais outras atividades os ajudam a buscar o equilíbrio, que define o nome da banda?

Trabalhamos com projetos sociais que levam a cultura e a igualdade para o nosso país. No ano passado, fizemos uma ação social dentro de um presídio no Rio de Janeiro e foi muito gratificante. Ajudar a quem realmente precisa é muito prazeroso. Nossos presidiários estão largados pelo governo e sociedade e não podemos esquecer que todos nós erramos, temos que saber perdoar e dar novas chances para os que desejam.


Foto: divulgação
 

A banda já completa 13 anos de carreira. Como vocês definiriam o atual momento do Ponto?
A banda se encontra  em seu melhor momento. Agora em maio, vamos tocar em Moçambique, na África. No início de junho, vamos gravar nosso primeiro DVD no Rio de Janeiro e, no final de julho, temos uma turnê para  Europa, confirmados Portugal, Holanda e Alemanha. Ou seja, muito trabalho pela frente!


Foto: divulgação

 Aqui em Juiz de Fora, vocês fazem o último show da turnê do terceiro álbum "Dia após dia lutando”. Como vocês avaliam o fruto desse trabalho e quais os próximos planos?
Rodamos o país inteiro com "Dia após dia lutando". Foi maravilhoso poder levar este nosso trabalho a milhares de pessoas. Encerramos esta turnê no Brasil com o sentimento de dever cumprido. Após este show, vamos nos dedicar ao nosso próximo projeto, que é a gravação do nosso primeiro DVD, onde contaremos a trajetória da banda.

Publicado por: Maruscka Grassano @maruscka


  Imprimir Página Comentários Indique a um amigo
 


13 Abr 2012

Zine Entrevista: Ivete Sangalo

Publicado em Zine Entrevista as 15h29





Não importa se ela está em Salvador ou em Bagdá, Ivete brilha. No axé, no rock, na MPB... Não importa seu gosto musical, o talento dessa baiana arretada é indiscutível, capaz de levantar poeira até no pólo norte. Tá bem vai...a gente se empolgou por aqui, mas é que Ivete Sangalo, além de tudo tem uma aptidão para a fama jamais vista, encantando a todos. Com nossa zinete Thaiana Garcia, que entrevistou a cantora, não foi diferente. Confira abaixo o bate papo cheio de risos da diva.
Suas atuações musicais já deixaram bem claro que consegue passear por todos os gêneros, ainda que seu forte seja o axé. Como ouvinte, qual é o ritmo que não sai da sua playlist e o que nunca entra nela?
Eu sou apaixonada por música, independente de estilo. Acho que existem letras lindas, dignas de serem admiradas, em todos os estilos musicais. Não acho legal se fechar para isso. Sou bem eclética.
Os sucessos da sua carreira tocam em todas as rádios, na TV e sem parar. Tem algum deles que você já cantou tanto, mais tanto que não aguenta mais? Qual foi a música que mais cantou na vida?
Eu canto o que eu gosto e acredito. Ai acaba rolando um sentimento especial por cada música. E a que eu mais cantei é difícil de dizer, viu? (risos)
 
Já a vimos atuando como apresentadora, cantora, atriz. Com tanta versatilidade, ainda existe algum talento seu que o público não conhece?
Vou analisar isso, se ainda tiver vou apresentar logo, porque gosto de me exibir para os meus fãs. (risos)

 
Em todo lugar que vai é a atração, não passa despercebida. Sente saudade de assistir a um show no meio da multidão, ir a um evento e não ser fotografada, trocar ideia com alguém que não imagina quem você seja?
Não tenho muita queixa em relação a isso. O assédio é natural, não há como se opor. Mas noto que as pessoas respeitam os meus momentos. Eu adoro ir nos lugares e as pessoas pedirem foto, puxarem conversa. É manifestação de carinho, de afeto. Sempre que me virem, podem pedir foto e autógrafo! (risos)
 
Lembrando que Ivete é atração do TR Folia deste ano, que já está chegando! A festa no Estádio de Três Rios (RJ), rola nos dias 04 e 05 de maio. Mais informações aqui.

Publicado por: Maruscka Grassano @maruscka (texto) Thaiana Garcia @thaianagarcia (entrevista)


  Imprimir Página Comentários Indique a um amigo
 


05 Abr 2012

Sexo, oxigênio e rock'n'roll

Publicado em Zine Entrevista as 16h15





De admirador dos preceitos da Sociedade Alternativa e fã da obra de Raul Seixas, Toninho Buda acabou por tornar-se amigo de um dos maiores -s enão, o maior - ícones do rock nacional. Após assistir ao documentário "Raul, O Início, o Fim e o Meio", batemos um papo com Toninho sobre sua participação no filme, a relação com o cantor e com o escritor Paulo Coelho, rituais de magia negra e até saúde! 


Como foi sua aproximação e relação com Raul Seixas e Paulo Coelho?
  É preciso contextualizar a resposta. Eu fazia parte da chamada “contracultura”, que era muito popular entre os jovens nos anos 60 e 70. E Raul Seixas e Paulo Coelho eram expoentes desse movimento. Eles haviam criado a famosa Sociedade Alternativa em 1973, baseada no mago inglês Aleister Crowley. Meu sonho era conhecê-los e isto aconteceu em 1981, quando conheci Paulo Coelho num encontro alternativo no Rio de Janeiro, e em 13 de agosto de 1983, quando trouxemos Raul Seixas no I Festival de Rock de Juiz de Fora. Daí pra frente, meu contato com os dois foi só se estreitando... Até que de 1984 em diante nós já trabalhávamos juntos no que seria a “reativação da Sociedade Alternativa no Brasil” (ela tinha sido praticamente “desativada” em 1976). Esta minha história está muito bem contado na biografia de Paulo Coelho (um livro chamado “O Mago”, de Fernando Morais).


Paulo Coelho e Toninho, em 1985, quando produziam o jornal Sociedade Alternativa

Mesmo após mais de 20 anos de sua morte, a obra de Raul continua exercendo fascínio em jovens de várias idades por conta de seu legado. E para o Toninho, qual foi a maior herança deixada por Raul?
Excelente pergunta, porque o que eu mais lamento é que muitos jovens pensem que para ser fã do Raul Seixas é preciso estar sempre com um copo de bebida na mão e embriagado de qualquer porcaria. O Raul, ao jeito dele, desprezou profundamente o aspecto escravagista e dominador da nossa sociedade, que faz com que todas as pessoas se transformem em meros “consumidores”. Pode observar que a “libertação do Sistema” é o tema de seus principais sucessos, como Ouro de Tolo, Metamorfose Ambulante e Maluco Beleza (“enquanto você se esforça prá ser um sujeito normal, eu do meu lado aprendendo a ser louco, um maluco total”...). Então, pra mim este é o seu maior legado: ninguém precisa ser o que os outros querem que você seja. Você precisa descobrir o que você veio fazer na face do planeta! Isto é um desafio de cada um, pessoal, individual, intransferível! “Faze o que tu queres” significa também exatamente isto: “Faça o que você veio fazer aqui na terra”. Pois se você não conseguir isto, pode ter certeza de que você será infeliz! É por isto que isto está escrito no cartaz do documentário do Raul Seixas!

 
 Raul e Toninho no Palco do I Festival de Rock de Juiz de Fora, em 1983

No documentário, você aparece em cenas sinistras, em rituais de sacrifício a animais. Do que se tratava?
Nós fazíamos parte de um grupo de Juiz de Fora, por volta de 1975/1976, que adorava estudar esoterismo, magia e misticismo (e seduzir mulheres com a tal “magia sexual”). A partir do contato com as ordens iniciáticas ligadas ao Crowley, o processo se intensificou, principalmente quando soubemos que o Raul e o Paulo também estavam ligados a essas ordens... Como eu era o mais radical dos radicais, durante quatro anos acumulei cenas (em filmagem super-8) que puderam dar origem ao filme “Contatos Imediatos do IV Graal”, que é um deboche direcionado a todos os tipos de religião, mas também um deboche de todo tipo de bruxaria e magia negra. Pois eu não acredito em absolutamente nada desses sistemas que considero de pura manipulação da credulidade alheia (tanto os “do bem” quanto os “do mal”). Com o passar dos anos (já lá se vão quase 40 anos) verificou-se que este filme é o único filme de propaganda da Sociedade Alternativa existente. E os diretores do documentário sobre o Raul Seixas se apaixonaram tanto pelo filme que colocaram mais de 20 cenas no filme do Raul (a maioria delas sem citar que pertencem ao “Contatos Imediatos...”). As mais “terríveis” são as do sacrifício do bode e do porquinho... Mas curiosamente, nós fizemos a cena do porquinho porque a Dona Maria (mãe do Guedes) pediu que ele fosse lá no sítio deles, em Sapucaia, buscar um leitãozinho para a Ceia de Natal (de 1975). O leitãozinho do filme foi consumido em homenagem a Jesus, na Ceia de Natal, veja que ironia!


Toninho (à direita) em umas das cenas do docmentário sobre Raul Seixas

Tais cenas fazem parte do seu filme "Contatos Imediatos do IV Graal", que venceu I Festival de Cinema Super-8 de Juiz de Fora, em 1979. Qual sua relação atual com o assunto?
Minha relação atual com o assunto é exatamente a mesma! Eu acho que as crenças em deuses e demônios já deveriam ter sido erradicadas há muito tempo! Elas fizeram parte de um tempo onde nós, seres humanos, éramos muito limitados em termos de compreensão da nossa presença no planeta. Hoje, na minha opinião, essas crenças não fazem mais o menor sentido e só atrasam nossa evolução, apesar da grande maioria das pessoas continuar acreditando nelas e muitos aproveitadores continuarem (normalmente de forma criminosa) enchendo os bolsos por causa da ingenuidade e imaturidade dos “fiéis” que conseguem arrebanhar. Para uma visão mais completa, tanto cultural, quanto psicológica e sociológica deste assunto, eu recomendo o livro “Deus, um delírio” de Richard Dawkins.


No vídeo, Paulo Coelho se afirma desvinculado da Ordem (OTO). Sua declaração deu a impressão de que esse tema faz parte de um lado obscuro de sua vida. É correta essa impressão?
A “Ordem” a que Paulo se referiu foi a Ordo Templi Orientis, que ele passou a chamar de “A Ordem da Besta” a partir de 1989 (logo depois da morte de Raul Seixas). Esclareço que “esses rituais” que aparecem no filme não têm nada a ver com a Ordem. Os rituais são uma presepada com que eu debocho exatamente dos rituais da pretensa magia negra! Continuando: para quem conhece esta história, sabe que, se existia um “mago negro” na Sociedade Alternativa, essa pessoa era o Paulo Coelho. E quando ele percebeu que divulgar as ideias libertárias de Crowley não lhe renderiam os dividendos esperados, ele passou a fazer o papel de “filho pródigo” e “reencontrou Jesus”. Paralelamente, ele passou a “denunciar” Raul Seixas como um “seguidor do diabo”... É uma história muito complexa (contada em detalhes no meu livro “A Paixão Segundo Raul Seixas”). Mas, para ridicularizar toda essa palhaçada, o próprio Raul deu a seu último disco o nome de “Panela do Diabo” (sim, o Raul também debochava da “magia”. Veja, por exemplo, a música “Rock’n’roll” exatamente neste seu último LP, quando ele diz: “oxalá, oxum, dendê, Oxossi de não sei o quê!”). E o Paulo Coelho continua a fazer realmente o que se poderia chamar de magia negra até hoje! Cara, ele compra, em euros, passagem para o céu... Quem viu o filme e tem um mínimo de inteligência pode perceber que ele continua vinculado à Ordem da Besta...  Este é o “lado obscuro” de sua vida, há há há (ouça-se aqui uma risada diabólica!).


Toninho e a equipe do filme em São Paulo, entre eles, Penna Seixas (à esquerda) e Walter Carvalho com o 'Raul' garoto.

Isso tem a ver com o fato dele ter recolhido a distribuição de seu livro “Manual Prático do Vampirismo”?
Escrevi esse livro para o Paulo Coelho em 1985, para que ele pudesse cumprir um compromisso com a Editora Eco. Como naquela época ele já havia “reencontrado Jesus” e não tinha mais “condições psicológicas” de escrever sobre os vampiros, coube a mim esta tarefa sanguinária. Mas eu achava que fosse somente preguiça dele e não um retorno aos braços de Cristo. Quando ele ficou mundialmente famoso (cerca de quatro anos depois) mandou recolher o livro, dizendo que tinha sido “mal escrito” (mas a verdade é que não era ele que tinha escrito o original, e isto poderia ser descoberto e causar-lhe bastante desconforto. Isto só veio a público 27 anos depois, na publicação de “O Mago”, por Fernando Morais. Nesses anos todos, eu nunca falei sobre o assunto e acho até que, se falasse, ninguém acreditaria (e os mais caridosos poderiam até me sugerir tomar um gardenal).

Você concorda com os preceitos da utópica Sociedade Alternativa, na "Lei do Forte" que diz "faze o que tu queres pois é tudo da lei"?
Aqui uma pequena correção: a frase correta (na tradução de nosso Mestre à época, Marcelo Ramos Motta) é: Faze o que tu queres, há de ser tudo da Lei (a palavra “Lei” com letra maiúscula, ok?).  Com o passar dos anos, surgiram muitos aventureiros fazendo “novas” e ridículas traduções, como a que você citou. Observe que a tradução que eu coloquei tem 11 palavras e a que você citou (muito comum, por sinal) tem apenas 10 palavras. Isso muda TUDO! Mas eu não posso me alongar nisso agora... Respondendo à tua pergunta, eu concordo integralmente com os preceitos da Lei de Thelema. Mas ressalto que esta linguagem é uma linguagem esotérica, é como se fosse uma “outra língua”. E que pode ser muito perigosa quando utilizada sem a devida orientação. Os hospícios estão cheios de pessoas que se aventuraram nesta senda sem orientação correta. E por aí se pode encontrar pessoas posando de “altos iniciados” nesses assuntos, mas que não passam de malucos em busca de ingênuos seguidores.
Mudando de assunto, quando seu nome foi citado na Redação do Zine Cultural, o primeiro disparo foi "ele é um ótimo treinador de corredores". Recém formado em Educação Física, já com formação em Engenharia, como essas áreas passaram a fazer parte da sua vida?
Na semana passada, defendi minha tese de Mestrado na Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora, com um tema da área de psicofisiologia do esporte de rendimento, que é o flow-feeling em corredores de rua, com a orientação do roqueiro Renato Miranda. Eu sempre fui apaixonado por corridas. Tenho também especialização em reabilitação cardíaca, sou engenheiro civil formado em 1979, com especializações em Pavimentação Rodoviária pelo DNER e Engenharia de Segurança do Trabalho. Nunca parei de estudar. Trabalho também na Secretaria de Esporte de Juiz de Fora, onde gerencio um laboratório de avaliações físicas de grupos de senhoras idosas. Bem, digo isto simplesmente para concluir o seguinte: eu entrei na Sociedade Alternativa pela porta dos fundos! Quando todos queriam sexo, drogas e rock’n’roll, eu queria saúde, porque era uma pessoa muito doente! Hoje, com 62 anos (mas um corpinho de 61) me sinto cada vez menos doente, e quero continuar lidando e pesquisando na área da saúde e da atividade física. Neste Novo Milênio eu sugeriria uma retificação no lema dos anos 60, passando para “Sexo, oxigênio e rock’n’roll”! E como diria o Grande Arauto de um Novo Tempo, eu sigo “controlando a minha maluquez, misturada com minha lucidez”! Vejam o filme, por favor! Um abração!
 

Publicado por: Maruscka Grassano @maruscka


  Imprimir Página Comentários Indique a um amigo
 


  • Gláucio Monte-Mór e Silva09/04/2012

    Excelente entrevista. Sou amigo do Buda e nunca vi ninguém tão inteligente! Parabéns!!!

  • André Marques Costa08/04/2012

    Excelente entrevista! Importante ouvirmos a opinião de alguém que viveu "Tudo Isso"!!

  • Fernando Costa de Souza06/04/2012

    Parabéns pela bela entrevista com o Toninho Buda,ele é parte importante da história recente do Rok'n'roll, do Raul Seixas, do Paulo Coelho e do esoterismo, incluindo aí a Sociedade Alternativa e etc. Basta ler a livro O MAGO (citado pelo toninho na entrevista) para entender melhor a dimensão de tudo isso. Valeu mesmo, abraços.

  • Leandro teixeira souza06/04/2012

    Grande Antonio Walter! Tive o prazer e o privilégio de conhecer grande parte dessa história, que vai muito além dessas poucas linhas. O filme ficou muito bom, vale a pena!

  • Paulo Mauricio Cavalheiro França05/04/2012

    Fantástico!! sempre fui fã do Toninho Buda desde que conheci seu trabalho, logo me identifiquei. O cara é fantástico

  • Dudu Mazzei05/04/2012

    Esse Toninho é dez. Entrevista muito interessante e lúcida! Ou seria lúdica? Ih......

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | Próximo

Publicidade

Twitter

Publicidade

CONECTA
ZINE 15 ANOS
Open TV
VISTA GRAF
VISTA GRAF
André Pavam

Coluna do Dia - 19/08/2014

19 de agosto de 2014
+ ver todas as edições
    @ZineCultural